O Pinterest quer ser a vitrine das marcas

Um dos 32 sites mais visitados do mundo, de acordo com a Similar Web (embora não apareça na lista dos 50 sites do Alexa), o Pinterest acabou de divulgar seus dados trimestrais e de base de usuários ativos: 300 milhões de pessoas entram no site todos os meses, um crescimento de 30% em relação ao trimestre anterior.

Os números de usuários ativos por mês vem crescendo paulatinamente desde o segundo trimestre de 2018, quando registrou 231 milhões de usuários. A performance da plataforma, aliada a uma série de ajustes, tem chamado a atenção de analistas dos sites de media tech.

Andrew Hutchinson, do Social Media Today, destacou os seguintes itens que merecem atenção do mercado:

– É uma das plataformas de Redes Sociais (RS) que mais cresce e que tem um numero de usuários maior do que muitas que são “hype” do momento;

– O Pinterest tem se posicionado como um ambiente adequado para o eCommerce e deve chamar cada vez mais a atenção das marcas e dos profissionais de marketing – querem ser uma espécie de “vitrine” de marcas e local de compra e venda de produtos e serviços;

– O CEO e criador da plataforma Ben Silbermann declarou recentemente que quer tornar o Pinterest em um ambiente também de vídeos.

São passos importantes para uma Rede Social fundada há 10 anos com o objetivo de ser um site de compartilhamento de fotos, onde os usuários podem compartilhar e gerencias as imagens, em um formato intuitivo e simples.

O problema é que este é um mercado extremamente disputado. Na lista dos 50 sites mais acessados do mundo, as redes sociais têm de lutar para conseguirem se manter relevantes para os usuários: o Youtube lidera em número de acessos mensais (2o lugar, atrás do Google), seguido pelo Facebook (3o lugar), Instagram (21o) e Twitter (24o).

O crescimento do número de usuários cobrou um preço caro do Pinterest: o EBITDA ajustado (o lucro antes de despesas como juros, impostos, depreciação e amortização) foi negativo em US$ 26 milhões. Ou seja, a operação do Pinterest gastou mais dinheiro no trimestre do que arrecadou com receitas de vendas de visibilidade para as marcas, principalmente com investimentos em marketing. Crescer neste mercado significa investir. A pergunta que fica é: até quando o Pinterest contará com a simpatia dos investidores dispostos a continuar injetando dinheiro na operação?

Este artigo apareceu primeiramente no Jornal 140.

Deixe uma resposta